Hipoglicemia…

A hipoglicemia é a redução anormal dos níveis de glicemia, habitualmente a valores iguais ou inferiores a 70 mg/dl. É importante falar com a sua equipa de saúde porque o valor considerado pode variar de acordo com os objetivos de glicemia de cada indivíduo.

A hipoglicemia é a complicação aguda mais comum na diabetes, sendo responsável pela morte de 2-4% destes doentes (American Diabetes Association).

A hipoglicemia é uma experiência muito desagradável para a pessoa, que pode perder o controlo sobre o seu corpo.

As causas da hipoglicemia podem ser várias:

  • atraso ou inexistência de uma refeição,
  • prática de exercício físico intenso ou prolongado,
  • administração de uma dose de insulina excessiva,
  •  ingestão de álcool,
  • aumento da sensibilidade à insulina (por exemplo, mais frequente no Verão),
  • diminuição da produção e reservas de glicose no organismo,
  • falha na correção da hipoglicemia pelo indivíduo na presença de sintomatologia.

 

E os sintomas? Cada um de nós tem determinados sintomas individuais. A verdade é que com o aumento da frequência de hipoglicemias, existe a diminuição dos sintomas e a redução da nossa sensibilidade ao evento, sendo que a hipoglicemia é detetada a valores mais baixos.
Os sintomas de hipoglicemia podem ser: tremores, ansiedade, sensação de fome, mal-estar geral, palpitações cardíacas, suores frios, dormência nos lábios, dedos e língua, palidez, irritabilidade, falta de forças, tonturas, dificuldade de concentração, visão turva ou dupla, alteração das cores, dificuldade de audição, sensação de calor, sonolência, perda de consciência e, coma.

A identificação das hipoglicemias deve ser feita de acordo com o esquema seguinte:

Slide1.JPG

A Regra dos 15 baseia-se na ingestão de 15g HC de glicose, aguardar 15 minutos e voltar a avaliar a glicemia. Se tiver corrigido, ingerir mais 15g de glícidos, como indica o esquema seguinte.

 

Slide2

No caso da PESSOA COM DIABETES ESTAR INCONSCIENTE OU INCAPAZ DE INGERIR ALIMENTOS deve-se administrar Glucon, do seguinte modo:

  1. Se houver Glucagon disponível, injetar via intramuscular ou via subcutânea (seguir os passos indicados na embalagem, ver imagem em baixo):
    • criança < 5 anos: meia ampola
    • criança ≥ 5 anos: uma ampola
    • adolescente ou adulto: uma ampola.
      NOTA: É preferível administrar glucagon a mais que a menos e recuperar da hipoglicemia. A sobredosagem corrige-se posteriormente.
  2. Após a recuperação da consciência, deve ingerir uma refeição composta por 20g de HC de absorção rápida (1 sumo de fruta ou 1 peça de fruta ou 1 bebida açucarada) e 40g de HC de absorção lenta (por exemplo, 1 pão ou 5 bolachas tipo maria), com o objetivo de repor as reservas de glicose no organismo.
  3. Reavaliar a glicemia.

glucagon.jpg

Imagem in: amigosdulces.com

No caso de não haver Glucagon disponível ou se a pessoa estiver inconsciente deve contactar imediatamente o INEM através do 112.

É fundamental, ter sempre glucagon disponível em casa, no trabalho, escola, nos locais onde a pessoa com diabetes passe mais tempo.

 

No caso da pessoa em hipoglicemia utilizar bomba perfusora de insulina, deve diminuir o débito basal durante, pelo menos, 30 minutos, até reverter. Eu reduzo para 60% do débito basal do momento.
A administração de insulina para a refeição realizada varia de pessoa para pessoa. No meu caso, por exemplo, fazendo a correção:

  1. Ingestão 15g de açúcar,
  2. 15 minutos depois se a glicemia > 70 mg/dl,
  3. Comendo 15g de hidratos de carbono, por exemplo, 1 maçã 130g.
    Eu tenho que administrar insulina para mais que 0.5 equivalentes ingeridos, para não ter um hiperglicemia conseguente à ocorrência de hipoglicemia. Mas esta situação é individual e deve ser realizada apenas com a indicação do diabetologista.

 

Vera Ruivo Dias
A alimentação saudável é a base do nosso bem-estar e, consequentemente, da nossa felicidade

Anúncios

FreeStyle Libre, “My precious”…

Um diagnóstico de diabetes implica que a pessoa realize a avaliação da glicemia capilar (nível de açúcar no sangue) várias vezes por dia ou semana. Este é um processo que implica picar o dedo para obter uma gota de sangue, e a sua repetição provoca “marcas” e dor!
Desde que tenho diabetes que acho que realizar glicemia (média habitual 7x/dia) custa mais do que administrar insulina com caneta.

10305250_10203675547880668_2849752532710154921_n

Em outubro/novembro de 2014 descobri uma notícia acerca do FreeStyle Libre, flash glucose monitoring, que consiste numa forma de avaliar a quantidade de glicose no líquido intersticial/linfa. A leitura é feita através de um sensor colocado no braço, com duração de 14 dias e dimensão de uma moeda de 2€. A leitura é feita passando o Libre (que também faz glicemias e leitura de corpos cetónicos com tiras como estamos habituados) a uma distância até 4 cm do sensor. Esta notícia deixou-me literalmente excitada: a solução perfeita!12799396_10205859599120584_7922082094378385065_n
Não havendo “informação oficial” fui procurar e comecei a acompanhar sites, blogs, grupos com partilha de experiências. Inicialmente Libre foi lançado em poucos países europeus e as experiências eram descritas de uma forma muito positiva, exceto algumas reações cutâneas e o adesivo do sensor não ser muito forte…

Nesta altura estava a preparar a defesa do meu mestrado e as horas ao PC (num período mais stressante e sedentário), acentuavam a minha necessidade de “picar o dedo”, que representava dor porque estava constante a teclar no PC…
Tudo isto era muito entusiasmante… restava-me esperar. Durante este tempo verifiquei que houve diminuição do relato de reações cutâneas e o adesivo do sensor foi modificado e melhorado.

Os estudos têm apresentado resultados muito bons nos diferentes grupos, nomeadamente em doentes com diabetes tipo 1 (IMPACT study), observou-se:

  • Ajustes mais eficazes de insulina, com correções à glicemia mais atempadamente
  • Diminuição dos eventos e tempo em hipoglicemia (74 minutos)
  • Redução de 22 minutos diários de hiperglicemia superior 240 mg/dl
  • Redução da HbA1c, embora não seja sempre significativa

Como já referi, a 20.06.2016 foi me possibilitado experimentar o Freestyle Libre, My little butterfly! Como eu costumo dizer, com o Libre, sinto-me o Gollum do Senhor dos Anéis… “my precious”, um verdadeiro cyborg!

Quando me perguntam “O que é a tampa do iogurte que tenho no braço?” eu explico: é o Libre Noção on time da variabilidade da glicemia, possibilita compreender o efeito da ingestão de determinado alimento, o efeito de determinada situação de stress ou exercício, por exemplo. O FreeStyle Libre permite atuar com eficácia e com consciência, melhorando o nosso controlo glicemico, qualidade de vida e, claro, diminui o risco de complicações! 

variabilidade.png

Como a imagem seguinte demonstra: detetar e atuar a tempo! parar

 

Relativamente, à hemoglobina glicada (valor que reflete a média dos valores da glicemia nos últimos 3-4meses), em abril tinha 8.4% (elevado) e atualmente tenho 7.3% (valor dentro do alvo). E eu usei o Libre apenas 28 dias! A verdade é que tive bons resultados, consegui identificar hipoglicemias noturnas, que não fazia ideia que existiam, e corrigi-las, como se vê na imagem seguinte.
hipo noturna.pngO Libre fornece 1440 dados por dia e o sensor armazena dados até 8 horas!

Afinal “Porquê picar, quando pode ler?”. O Libre permite realizar avaliações a correr, a conduzir, a trabalhar, a caminhar, já pensou na simplicidade que representa? E a segurança? Permite evitar situações como as das imagens (hipoglicemia muito baixa e prática de exercício físico com hipoglicemia no final, quando realizava glicemias capilares).


Durante o período que usei o Libre, os meus amigos habituaram-se a fazer a avaliação, às vezes estava distraída e lá ouvia o Libre… era um deles a “gozar da high tech“! No caso de uma criança com diabetes representa não ter que acordar a criança para avaliar a glicemia!
Pelo que ouvi dizer, o Libre estará disponível nas próximas 2 semanas em Portugal! Até ao momento não existe informação de comparticipação pelo Estado. Claro que o Libre representa um custo elevado, mas não podemos esquecer que é alta tecnologia, e nos benefícios que trará para cada um de nós. Aconselho a pelo menos experimentar!
Entretanto espreitem o link para mais informações e inscrição na lista de espera: https://www.freestylelibre.pt/

 

My precious… how I miss “you”, how I need “you”! 

A Miss “Eu sou diabética”, Vera Ruivo Dias

 

Aveludado de abóbora com lombardo

Uma sopa leve e saborosa …

IMG_0684

Ingredientes para 6 porções (200 ml cada porção):

  • 350g de abóbora
  • 1 dente de alho (4g)
  • 80g de cenoura
  • 100g courgette
  • 80g de batata
  • 150g de couve lombarda
  • 15ml de azeite (1 colher de sopa)
  • 5g de sal (1 colher de chá)

 

 

Preparação:

  1. Lave bem os ingredientes. Prepare e corte em pedaços todos os alimentos, excepto o lombardo. Coloque os ingredientes numa panela com cerca de 1,5L de água.
  2. Adicione o alho e o sal na panela. Deixe os alimentos cozinharem, durante cerca 20 minutos.
  3. Triture a base da sopa com a varinha mágica.
  4. Corte o lombardo em juliana. Adicione a couve-lombarda à base da sopa, e coloque novamente ao lume para deixar cozinhar, durante cerca de 10 minutos.
  5. Posteriormente, desligue o lume e adicione o azeite.

Desfrute! Bom apetite!

IMG_0724

Composição Nutricional por porção (200 ml = 2 conchas):

  • Valor calórico: 58.6 calorias
  • Glícidos: 6.1 gramas
  • Proteína: 1.5 gramas
  • Gordura: 3.6 gramas
  • Fibra: 3.0 gramas

 

Contagem de equivalentes por porção (200 ml = 2 conchas):

  • Se 10g de glícidos por equivalente: 0.6 equivalente
  • Se 12g de glícidos por equivalente: 0.5 equivalente
  • Se 15g de glícidos por equivalente: 0.4 equivalente

 

Vera Ruivo Dias
A alimentação saudável é a base do nosso bem-estar e, consequentemente, da nossa felicidade

Participação num Audiowalk: Gestão de esforço físico

Na semana passada participei num audiowalk em Sintra desenvolvido pela companhia de teatro teatromosca, Modos de ver: Sintra. Foi a primeira vez que participei numa atividade deste tipo. Na verdade, nem sabia bem o que era… Quando reservei os bilhetes, a organização forneceu algumas recomendações, nomeadamente, levar calçado confortável, comida e água.

Um audiowalk consiste num passeio sonoro, ou seja, cada pessoa tem um conjunto de MP3 e phones, com um guia áudio que conduz o ouvinte por determinado percurso. Cada pessoa pode ouvir e receber instruções distintas e não deve falar com os restantes participantes.

Para uma pessoa com diabetes, integrar uma atividade em que previamente se compreende que se vai caminhar, mas sem conhecer pormenores do percurso, intensidade, velocidade, tipo de terreno, não nos dá grande segurança pelo desconhecimento destes fatores. Tinha indicação de que a atividade iria durar das 19h às 22h. Neste dia, tinha comido pouco, tomei pequeno-almoço (2 equivalentes), comi uma sandes com 1 bife panado (já não me lembro da última vez que tinha comido panado), porque fiz a viagem de bus para Lisboa, e para variar fiquei maldisposta (almocei cerca das 14h20m), voltei a comer às 17h30m (200ml leite magro + 2 bolachas de água e sal). Muita água!

Perante este cenário, no início do audiowalk realizei uma glicemia tinha 144mg/dl. Resolvi diminuir o débito basal de insulina para 70% e comi 5 bagos de uva, como ia caminhar e comi menos que 1 equivalente de glícidos não fiz bólus de insulina. Iniciamos a atividade, começamos a escutar, andar, observar e sentir…consequentemente às histórias que ia escutando. Comi uma banana. Após cerca de 20 minutos, percebi que teria de o baixar mais o débito basal para 40%, porque estávamos a caminhar com alguma intensidade.

“Modos de ver: Sintra”, decorre na vila de Sintra, a certa altura, como nos tinham previamente avisado as pessoas separaram-se em dois grupos, sendo que as minhas amigas foram “no outro grupo”. O grupo que eu integrava subiu a Serra de Sintra, ao som de uma fantástica música, “Laranja é fruta gostosa…”. Esta subida foi intensa e no fim reavaliei a glicemia, tinha 117 mg/dl. Neste momento, decidi suspender a bomba e comer 12 gramas de açúcar e uma banana. Estava cansada, receando ter uma hipoglicemia e como as minhas amigas estavam no outro percurso do audiowalk, preferi “jogar” pela segurança. Durante o percurso comi mais 1 D.I. de leite e 2 bananas. Voltei a ligar a bomba com débito basal de 40% quando tinha 179 mg/dl e fazendo o bólus para 1,5 equivalentes, esteve parada durante cerca de 40 minutos. Sentia fome… Entretanto até ao fim da atividade mantive a bomba ligada mas não voltei a realizar glicemia, nem a fazer bólus. Como tinha a glicemia mais elevada, concentrei-me “de corpo e mente” no audiowalk

glicemias 12.08.2016

Uma das frases ditas durante o meu audiowalk foi: A nossa memória não é um museu, é um saber que se perde.“. No meu caderno (cada um dos participantes tinha um caderno diferente e um lápis com notas dos participantes em sessões anteriores); numa das páginas escritas por um anterior membro dizia “Nunca tinha sido ator, hoje fui um verdadeiro ator. Adorei!”.

Foi exatamente o que senti! Senti que a voz do áudio me provocou determinados sentimentos, mas também que era atriz ao observar determinado pormenor do ambiente, ao me identificar com determinada história,… ao chegar à Fonte da Sabuga, e coincidentemente receber, uma carta que muito “me dizia” e me fez chorar…

Adorei o audiowalk, foi o MEU “Modo de ver Sintra”, diferente de quem ia ao meu lado, mesmo que tenhamos dado os mesmos passos,  porque como dizia a voz do áudio a determinada altura “De uma deambulação fica sempre mais do que os registos o solo e no papel.”

Relativamente ao controlo da diabetes, devia ter avaliado a glicemia mais vezes, mais uma vez senti a falta do meu Freestyle Libre … Certamente não teria suspendido a bomba tanto tempo, teria tido mais consciência e segurança, e não teria terminado o dia com uma glicemia de 382 mg/dl (consequente também do lanchinho  no fim do audiowalk em que estava cheia de fome e comi, pelo menos, 4 equivalentes de hidratos de carbono). Mais um momento de aprendizagem e para a próxima vez irei agir de outro modo. No dia seguinte tinha glicemia de jejum 179 mg/dl.

Sugiro esta fantástica experiência a qualquer pessoa, quer conheça bem ou não Sintra. “Modos de ver: Sintra” tem  sessões às sexta-feira e sábado, até dia 27 de agosto  de 2016, no Centro Histórico de Sintra. Deixo aqui o link do trailer, aposto que não ficará indiferente, pelo menos ficará curioso! =)
https://vimeo.com/175561682

 

Informações em:
http://teatromosca.weebly.com/modos-de-ver–sintra.html
https://www.facebook.com/events/315771652095822/

 

Vera Ruivo Dias
A alimentação saudável é a base do nosso bem-estar e, consequentemente, da nossa felicidade.

Fotografia de destaque de teatromosca.

Iogurte natural caseiro

O iogurte natural é um alimento que gosto de ter sempre disponível em casa. Eu faço os meus iogurtes caseiros. Os meus iogurtes têm maior quantidade comparativamente com os comercializados (170 gramas versus 125 gramas). Se desejar fazer os iogurtes com menor volume, basta reduzir a quantidade de leite utilizado.

 

Ingredientes (6 doses):

  • 1 iogurte natural sem açúcar (125g)
  • 6g de leite em pó meio gordo (torna os iogurtes mais cremosos, mas a sua adição é opcional)
  • 1 litro de leite magro
  • Opcional: adicionar Stevia a gosto.

Preparação:

  1. Juntar todos os ingredientes num recipiente.
  2. Distribuir pelos copinhos de iogurte uniformemente.
  3. Colocar na iogurteira para fermentação, pelo menos, durante 6 horas.

IMG_0529.JPG

Desfrute! Bom apetite!

 

Composição Nutricional por dose (170g):

  • Valor calórico: 67.9 calorias
  • Hidratos de carbono: 9.7 gramas
  • Proteína: 6.9 gramas
  • Gordura: 0.5 gramas

 

Contagem de equivalentes:

  • Se 10g de glícidos por equivalente: 1 equivalente
  • Se 12g de glícidos por equivalente: 0.8 equivalente
  • Se 15g de glícidos por equivalente: 0.6 equivalente

 

Opção: Iogurte natural com aroma a banana

Para fazer este iogurte basta adicionar ao preparado referido anteriormente 90g de banana e triturar com a varinha mágica. Nesta situação reduza o volume de leite para 900ml. A preparação é realizada do mesmo modo.

Composição Nutricional por dose (170g):

  • Valor calórico: 79.2 calorias
  • Hidratos de carbono: 11.9 gramas
  • Proteína: 7.1 gramas
  • Gordura: 0.6 gramas

 

Contagem de equivalentes:

  • Se 10g de glícidos por equivalente: 1.2 equivalentes
  • Se 12g de glícidos por equivalente: 1 equivalente
  • Se 15g de glícidos por equivalente: 0.8 equivalente

IMG_0508Vera Ruivo Dias
A alimentação saudável é a base do nosso bem-estar e, consequentemente, da nossa felicidade.